crítica

Sentir a terra a mexer [Celui qui tombe]

Yoann Bourgeois FIMFA Lx17_0176©Géraldine Aresteanu

Celui qui tombe. Yoann Bourgeois, CCN2 – Centre Choréographique National de Grenoble. Concepção, encenação e cenografia: Yoann Bourgeois. Assistido por: Marie Fonte. Intérpretes: Mathieu Bleton, Julien Cramillet, Marie Fonte, Dimitri Jourde, Elise Legros, Vania Vaneau. Luz: Adèle Grépinet. Som: Antoine Garry. Figurinos: Ginette. Construção cenográfica: Nicolas Picot, Pierre Robelin, Cénic Constructions. Director técnico: David Hanse. Direcção de cena: Alexis Rostain. Operação de luz: Magali Larché. Operação de som: Benoît Marchand. Fotografias: Géraldine Aresteanu. Produção delegada: CCN2 – Centre Chorégraphique National de Grenoble – Direcção Yoann Bourgeois e Rachid Ouramdane. Co-produções: Cie Yoann Bourgeois, MC2: Grenoble, Biennale de la danse de Lyon, Théâtre de la Ville, Paris, Maison de la Culture de Bourges, L’hippodrome, Scène Nationale de Douai, Le Manège de Reims, Scène Nationale, Le Parvis, Scène Nationale de Tarbes Pyrénées, Théâtre du Vellein, La brèche, Pôle national des arts du cirque de Basse-Normandie / Cherbourg-Octeville, Théâtre National de Bretagne-Rennes. Residência de criação: MC2: Grenoble, La Brèche – Pôle national des arts du cirque de Basse-Normandie/Cherbourg-Octeville. Especialista de projecto e construção: Ateliers de la Maison de la Culture de Bourges, Cenic Constructions, C3 Sud Est.. Apoios: ADAMI, SPEDIDAM, PETZL .Apoio à criação: DGCA. Yoann Bourgeois tem o apoio da Fondation BNP Paribas para o desenvolvimento dos seus projectos e está em residência territorial em Capi-Théâtre du Vellein. O CCN2 é financiado por Drac Auvergne – Rhône-Alpes/Ministère de la Culture et de la Communication, Ville de Grenoble, Département de l’Isère, Région Auvergne-Rhône-Alpes e é apoiado pelo Institut français. Co-apresentação: Teatro Municipal do Porto – Rivoli. Campo Alegre e São Luiz Teatro Municipal. Técnica: Novo circo. Idioma: Sem palavras. Público-alvo: +8. Duração: 65 min. Apoio à apresentação: Institut Français du Portugal, em parceria com o Institut Français em Paris, no âmbito do foco sobre a criação contemporânea francesa em 2017.

21 de Maio de 2017, São Luiz Teatro Municipal – Sala Luís Miguel Cintra

FIMFA – Festival Internacional de Marionetas e formas Animadas

Cair é uma das primeiras aprendizagens do ser humano no momento da aquisição da marcha, etapa de conquista da verticalidade e controlo do equilíbrio. Embora associado à ideia de aprendizagem, o verbo cair surge sobretudo como sinónimo de fracasso ou acidente. Na Bíblia, a Queda significa a transição de um estado de inocência e obediência para um estado de culpa e irreverência. Yoann Bourgeois é um artista de circo, habituado a gerir o equilíbrio e a vertigem que se interessou pela queda, desenvolvendo desde 2010, trabalhos de criação a propósito da noção de “ponto de suspensão”, iniciados com os espetáculos L’art de la fugue (2011) e Jeunes pousses (2012) aos quais se seguiu um conjunto de quatro peças curtas sob o título Tentatives d’approches d’un point de suspension.

O ponto de suspensão, noção comum a várias disciplinas circenses, corresponde ao momento em que os corpos estão em movimento, numa postura de desafio às leis da gravidade e em que se desenham diferentes possibilidades de equilíbrio ou queda: “o momento em que um objeto é lançado ao ar, atingindo o ponto mais alto antes da queda”. A ideia de vertigem mantém-se igualmente no filme que o artista produziu com Marie Fonte Je me demande où partent les rêves, a partir da obra Autoportrait de Edouard Levé: «Lembro-me da vertigem que senti com seis anos, quando deitado na relva pensei que se deixasse de haver gravidade cairia no céu».

Em Celui qui tombe, os seis bailarinos e acrobatas experimentam diferentes modalidades de equilíbrio numa plataforma giratória de madeira que pesa quase duas toneladas, num quadrado de seis metros por seis, desafiando-os, à medida que aumenta a velocidade de rotação e os graus de inclinação, elevação e descida. Ouvimos o som da madeira a vibrar e a ranger, como se a terra tremesse, enquanto esta pequena humanidade de três mulheres e três homens se agarram ao chão, suspenso por quatro fios de aço. As imagens multiplicam-se a partir das dinâmicas provocadas pelo dispositivo cénico em movimento, ao qual os intérpretes estão ancorados. Há momentos em que os corpos se assemelham a cadáveres ou mercadorias, descendo em declive a plataforma que os parece descarregar. Outras vezes parecem transitar numa urbe qualquer, com mais ou menos pressa, com mais ou menos resistência nas passagens rolantes que os transportam, nos seus diferentes trajetos. A certa altura, começam a entoar em coro Dido e Eneias de Purcell, formando uma pequena comunidade que se entreajuda a cantar, para regressarem à plataforma que os derrubou, erguendo-se de novo, à procura da terra, a experimentar pisar o chão outra vez.

Enfrentar a gravidade, tentando não perder o chão parece ser a divisa destes corpos que num momento se desviam uns dos outros, para logo a seguir se apoiarem entre si, buscando pontos de equilíbrio, mas sobretudo formas de acolher e experimentar a queda. Encontramos ainda algumas ligações com o espetáculo Wu Wei (conceito taoista que significa não agir) que Yoann Bourgeois apresentou em 2012, onde procurou compreender o que se passa quando as forças da natureza tomam o controlo: “Je ne veux pas provoquer les choses, mais les laisser venir… “. Em Celui qui tombe mantém-se de certa forma a mesma lógica, observando o que acontece quando nos deixamos levar e como reagimos a essa perda de controlo. Deixar-se cair, deixar-se transportar e sentir a terra a mexer são aqui formas de criar movimento.

Por vezes, os deslocamentos dos intérpretes lembram as personagens espetros de Beckett que exploravam as diferentes possibilidades de trajetória no espaço quadrado de Quad, ainda que as referências citadas por Yoann Bourgeois para repensar o movimento da queda sejam outras: Camus e Buster Keaton. Dois nomes, apesar de tudo, muito cúmplices de Beckett que não parou de perguntar como recomeçar depois de cair e como continuar em movimento depois do fracasso: “Try again, Fail again, Fail better”. Neste espetáculo que fala sobre fragilidade e instabilidade e também sobre resiliência e liberdade surge com doses equilibradas de ironia, humor e poesia a voz de Sinatra em My Way, a acompanhar essa ode ao risco, uma força que se ergue perante o medo das falhas e do fracasso, sem grandes arrependimentos: “Regrets I’ve had a few, But then again too few to mention. I did what I had to do. And saw it through without exemption. I planned each chartered course. Each careful step along the by way. And more, much more than this, I did it my way.”

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s